About

Criada por Jérôme Sainte Rose, é um espaço que se adequa a qualquer tipo de manifestação artística. “Respira arte contemporânea”

E, de espaço, de evolução, de eclético, de efêmero, de expressão. É, do verbo ser. E… e a ideia da continuidade. Palavras e pensamentos, que conceituam a proposta da Galeria E – “Éphémère“, criada pelo fotógrafo francês Jérôme Sainte Rose. “A ideia é um local onde se respire arte contemporânea”, diz. Exatamente por isso, abriu as portas da galeria no centro do Jardim Paulista, bairro de design em São Paulo. E dentro desse espaço único, faz curadoria e reúne artistas das mais diversas vertentes, tais como street art, pintura, artes plásticas, escultura, vídeoarte, food art, instalações, arte indígena, e claro, fotografia.

Eclética, a Galeria E tem o cuidado de misturar artistas locais e internacionais – residentes como de passagem – para sempre trazer novidades ao seu público em um espaço multifuncional, de linhas clean, mas visivelmente moderno e que se adequa a qualquer tipo de manifestação artística, desde as exposições até leituras literárias e eventos refinados. Também se caracteriza por recriar o ambiente e levar a arte para fora de seu contexto, criando assim a proposta de efemeridade e itinerância. Tudo para a maior acessibilidade aos vários tipos de arte, em suas mais genuínas formas de expressão.

Art washes away from the soul the dust of everyday life.– Pablo Picasso

ART IN MOTION

Exhibition

Novembro | Dezembro 2018

Residencia Artística
 
Performance
do Street artista francés Jeanjerome (JJ )
 Mauro  Neri ( Ver a Cidade )
Arte sound Dj guest
 
Instalaçãoes, Luminárias e Artes Plásticas
Hermes Santos
Artes Plásticas
Alexandre Stefani
Escultura
Emanuel Vasco Nunes
street art
Tito Ferrara 
Pintura
Pedro Vicente
Fotografía
Jerome Sainte Rose

” Os Mascarados”

Exhibition

Agosto | Setembro 2018

 

Incorporada ao folclore, durante séculos, a História de Carlos Magno era atração nas vozes dos trovadores e, somente em idos do século XIII, em Portugal, é que resolveu instituí-la como uma festividade, aos modos de uma representação dramática, a fim de incentivar a instituição cristã e o repúdio aos mouros. Num grande campo de batalha, onde de um lado, o lado do poente, 12 cavaleiros cristãos vestidos de azul, a cor do cristianismo, lutam contra 12 cavaleiros mouros vestidos de vermelho.

As Cavalhadas foram introduzidas em Pirenópolis (Estado de Goias) em 1826 durante um ritual de três dias seguidos. 

Os Mascarados (Curucucús) são tão grande atração quanto os cavaleiros mouros e cristãos.  São pessoas que se vestem com máscaras e roupas coloridas, mudam a voz ao falar e cobrem todo o corpo para que ninguém os reconheçam. Enfeitam seus cavalos com fitas e tecidos. 

Eles saem às ruas à galope, pedem cervejas e cigarros aos transeuntes e divertem a população com suas acrobacias e brincadeiras.

Não se sabe a origem destes personagens, eles se fundem com os cristãos e mouros num trinômio perfeito. Representam o papel do povo e daqueles que não tem acesso a pompa dos cavaleiros, que representam socialmente a elite e o poder. 

No folclore, mais tarde no tempo, chegaram “os índios”. Fantasiados com máscara de caveira, montados em cavalos pintados, eles descem nas ruas em grupo para atrapalhar a e desorganizar a festa.  

Em maio de 2016, o Jérôme Sainte Rose vai para lá, participa desta festa fazendo uma reportagem fotográfica do evento. As imagens são tão ricas e fortes que dão origem a exposição “Os Mascarados”, lançada na Cutlog 7, em novembro de 2016, em Paris e em agosto de 2018 na Galeria E em São Paulo. 

MANIFESTO TRÁGICO

Exhibition

April | May 2018

Exposição do pintor, dramaturgo, roteirista e apresentador Pedro Vicente traz reflexões sobre a harmonia impossível, na Galeria É, em São Paulo
“Estudos de uma harmonia impossível numa sociedade em surto de transformação”. Com essas palavras, Pedro Vicente define a exposição Manifesto Trágico, 06/4 a 06/05/2018 na Galeria É, do fotógrafo francês Jerome Sainte Rose, em São Paulo. Segundo o pintor, a mostra abre uma perspectiva trágica sobre um conjunto de imagens abstratas que buscam retratar contrapontos melódicos a caminho de uma “harmonia impossível”. “As imagens apresentadas são registros desse caminho”, diz ele, sobre as obras, que incluem: a série de abstrações, óleos e aquarelas, em pequenos e grandes formatos; um grafite poema concreto que convida à ampliação de perspectivas; a performance “Atendimento Poético” – uma experiência lúdico-literária-midiática; e uma obra sonora, que nomeia o conjunto (programação abaixo). “No geral, as obras buscam transmitir a percepção de um nexo poético ativo no subterrâneo da realidade, como forma capturar harmonias impossíveis”, reflete.
Reconhecido no cenário das artes pelo trabalho de dramaturgo, Pedro acredita que as duas linguagens se constroem em um mesmo processo de materialização, a partir do contato físico entre obra e artista. “O resultado é um objeto imantado pela energia gerada nesse contato.”
O Manifesto Trágico que dá nome à exposição é uma obra sonora a ser experimentada individualmente mudando a perspectiva do público sobre os trabalhos. “A arte tem uma função na evolução da espécie, é como um ponto eletrônico no ouvido do ser humano cantando o caminho das pedras preciosas no rumo de novas mentalidades, liberdades e habilidades. Se a realidade é um grande espetáculo encenado pelo coletivo artístico da humanidade, decifrar a poética desse espetáculo é libertador. Interessa o nexo poético das coisas, a vida é a mídia final, e o convite é para o reconhecimento da tragédia como forma de operar o sentido poético da realidade.”

PROGRAMAÇÃO

05/04 a 30/04
Exposição – galeria aberta para visitação 14h – 18h

25/04 (a confirmar)
Leitura Dramática da peça teatral “HB, o Homem Bom” de Pedro Vicente,
com Pedro Vicente e Renato Borghi; direção de Johana Albuquerque.

05/04 – 22:30h à 23:30h
12, 19 e 26/04 – 18h as 20h

Performance: Atendimento Poético – Experiência performático-literária

Descrição da performance:
O artista atende o público em consultas individuais de 5 minutos a meia hora, numa dinâmica de jogo divinatório, com livros e objetos no lugar de baralhos. Uma síntese poética é trabalhada a partir de um jogo reflexivo sobre o reconhecimento da tragédia como forma de operar o sentido poético da realidade. O participante recebe duas coisas: um adereço que simula um olho realista na testa, e uma pergunta:

– Qual sentido poético da tragédia na sua vida pessoal ou coletiva?

Se o participante concordar, a resposta é publicada no instagram @manifestotrágico. Eventualmente, as anotações e registros das experiências podem gerar um livro.

IBIZA PRIVATE

Vip Dinner

March 2018

INSPIRAÇÕES

Sculptures

OCTOBER | NOVEMBER 2017

Galeria É apresenta a exposição “Inspirações” de Emanuel Vasco Nunes.
Com esculturas que retratam elementos humanos, sagrados e conceitos de construção, artista moçambicano abre mostra na recém inaugurada galeria do fotógrafo francês Jerôme Sainte Rose.
Autor das obras “Guardiões da Natureza”, instaladas em plena Avenida Brasil, em São Paulo, Emanuel Vasco Nunes é um escultor construtivista que traz a elaboração da modelagem e as relações de ligação e dualidade do ser humano com a natureza como principais características de seu trabalho. Conceito, aliás, que surge claramente nas peças que estarão expostas na Galeria É, do fotógrafo francês Jerôme Sainte Rose, a partir de quinta-feira, 26, data de lançamento da mostra do escultor.
Nascido em Moçambique e radicado no Brasil, o artista ainda estabelece a simplificação das formas, que combinam a arte e indivíduo em obras de arte carregadas de significados sagrados, representadas pelo que ele define como máscaras. “Esses elementos místicos aparecem nessas obras que retratam o ser humano sem rosto, apenas com olhos, nariz e boca demarcados pela metade e com a ausência da retina para justamente ser vista pelo olhar e percebida através dos sentidos e pelo ato de comunicar. O observador fecha esse ciclo”, explica. “O nosso rosto é para os outros. A outra parte, que é nossa, são os sentimentos, e esses nem todos conseguem enxergar”, completa Emanuel, que por ser um artista moçambicano traz muitas referências africanas em sua obra, em especial esses conceitos que unem a natureza e o espiritual humano às ideias de ligação e purificação pela modelagem e construção das obras. “A escultura vem da África. É só lembrar os escudos e máscaras que usavam para caçar. E eu gosto de formas, de transformar materiais. Trabalho com bronze, metal e outras matérias-primas. Me tornei escultor justamente por essa dificuldade em se fazer e construir algo, e assim deixar um marco como artista”, finaliza o escultor que possui obras distribuídas em várias partes do mundo como Portugal, Rússia, França, Estados Unidos, Itália, Turquia, Holanda, Suíça e Espanha.

SPECIAL GUESTS

Photography | Original Painting

21/09 | 19H – 23H

CONNECTING GALERIA E

Photography | Painting | Plastic Art | Street Art | Collage and painting

AUGUST | SEPTEMBER 2017

ALMA DA SELVA

Photographic work

March 2017. The Amazonia, in the State of Acre, in the Southwest of the amazon, these photos reveal the soul of the jungle.
Through his photographic journey, Jerome Sainte Rose, meet with the native Indians Huni Kuin tribe. He learned from their art, the Mahku (MAHKU – Huni Kuin Artists Movement), and experienced the Ayahuasca (a combination between quechua aya and huaska, the liana of spirits, liana of the dead, liana of the souls); a true spiritual connection with the nature. The Huni Kuins are renowned for being healers who protect the planet.

Support
Stella Artois

AUGUST | SEPTEMBER 2017

View works

PARIS SKETCH CULTURE

Street Art

For the first time in Brazil, the Galeria É presents the French artist Raphaël Federici, and his remarkable Street Art work.

JUNE | JULY 2017

View works

OPENING GALERIA E

Various exhibitions

The Galeria É invites renowned international artists from photographic work, to street art, collage and painting, plastic art and sculptures to exhibit their works in its new and trendy space in the vibrant area of Jardins Europa, in Sao Paulo.

MARCH | MAY 2017

View works